SEMANA COM CIRO: Pavimentando a Terceira Via

Mais uma semana agitada na CPI da Covid e nas ruas do Brasil. Novamente, as manifestações (03) pelo país pedem o impeachment do atual presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ainda que para o Partido dos Trabalhadores (PT) seja melhor concorrer ao segundo turno com Bolsonaro, a mídia e a população clamam pela terceira via. Os últimos sete dias parecem ter iniciado, efetivamente, a movimentação das peças.

Antonio Neto

Juliana Brizola

Admirável Brasil Novo
Embora muitas pessoas ainda prefiram viver no mesmo círculo viciado do debate polarizado, na segunda (28) Ciro Gomes (pré-candidato à presidência pelo Partido Democrático Trabalhista – PDT) convidou todos à reflexão. Como é possível recuperar nosso país e fazê-lo voltar a crescer utilizando métodos que nunca funcionaram? É possível escolher o futuro e esquecer o passado? Como refletir em torno de um projeto de país unificado? A crise que bate em nossas portas pede que a população mude a forma como vota, e essa foi a proposta do aguardado vídeo da semana, impulsionado pela #OBrasilQueEuQuero.
Buscapé

O uso de efeito de filmagem e locação que muito lembra cenas do longa “Cidade de Deus”, de Fernando Meireles trouxeram uma metáfora profunda. No vídeo é apresentado Ciro no centro e transições em perspectivas semicirculares, ora para o ex-presidente Lula, ora para o atual presidente Bolsonaro. Esse efeito funciona como um easter egg a cena em que o fotógrafo Buscapé se vê ilhado entre duas facções e a polícia. Um capricho da narrativa, apontando quem está acuado no cenário polarizado, mas oferecendo as pessoas perspectivas para nosso país.

Encontro com Ciro
Na quarta a militância tinha um encontro marcado com Ciro. O portal Agora é Ciro promoveu uma plenária entre o candidato e sua militância a partir de inscrições prévias, transmitido pelo Youtube. A iniciativa buscava formação política da militância, que trouxe diversos convidados em outras ocasiões, como Juliana Brizola e Carlos Lupi. Para encerrar esse projeto, Ciro palestrou sobre sua proposta por aproximadamente 1 hora e depois respondeu a perguntas da audiência. Entre os questionamentos, houve espaço para dialogar sobre o funcionamento do Projeto Nacional de Desenvolvimento (PND) no pós-pandemia e reafirmação de compromisso com a Juventude Socialista do PDT. Essa conversa com a Turma Boa aqueceu para o debate entre pré-candidatos, que foi bastante aguardado e discutido durante a semana.

Cimentar a terceira via é preciso

Na quinta (01) ocorreu o debate de pré-candidatos de centro, promovido pelo jornal Estadão. Participaram do evento o governador do estado do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), o ex-ministro da saúde Luís Henrique Mandetta (DEM) e nosso Ciro, ex-ministro, ex-governador e ex-prefeito (ufa).
Cordialidade é a palavra que define o encontro. Nos comentários, abaixo do vídeo do debate, só existem elogios a performance de Ciro. Enquanto Leite e Mandetta falavam o que é preciso fazer, Ciro falava o que e como fazer. Perceber isso em debates é um caminho sem volta. Destaque para a jogada de Ciro, que colocou os candidatos na obrigação de discutir e se posicionar sobre taxação de fortunas e lucros.
Muitas pessoas perceberam o incalculável conhecimento de Brasil de Ciro e o alinhamento do discurso de Mandetta às suas propostas. Nas redes sociais, as apostas crescem em torno da sonhada chapa de centro-esquerda. Inflamar essa discussão pode realmente pavimentar a terceira via.
Um sinal disso é que, mal o debate mal havia esfriado, Ciro já estava falando sobre eleições 2022 no UOL. Mais uma vez o candidato pedetista deu aula de Brasil, falando de passado, de presente e de como reconstruir e reunificar a nação. Nesse contexto, frases curtas parecem estar surtindo efeito (aqui), pois é preciso que fique claro que a luta é por um projeto, nada é pessoal.
O debate trouxe a mídia abrindo espaço além da polarização. Não é preciso ser muito esperto para começar a entender que o cenário do próximo pleito já está sendo arquitetado.
E, ao que tudo indica, parece que Ciro não pode mais ser ignorado.