Resposta aos erros de Veja sobre #TodosComCiro – Saiba a verdade

Em matéria publicada no dia 31 de agosto de 2018, a Revista Veja embaralha erros em relação às ações da Plataforma TodosComCiro.

Essa narrativa acaba por tentar deslegitimar a participação da sociedade civil no debate político. Pontuamos a seguir as falhas cravadas na reportagem da Veja, um canal conhecido por tentar fundamentar em erros os ataques políticos que se dispõem a fazer.

____________

ERRO 1 –  “Flagrou o uso de bots na promoção da candidatura de Ciro Gomes (PDT). Bots são os robôs que publicam posts automaticamente nas redes sociais.”

A VERDADE: A comunicação da plataforma TodosComCiro é direcionada somente a pessoas que previamente nos contactaram ou se cadastraram. As ações da TodosComCiro no WhatsApp funcionaram com um canal de autoatendimento, por meio do qual as pessoas acessavam um menu numérico de perguntas e recebiam respostas para cada pergunta já prevista no menu. Esse tipo de configuração, ao contrário do que diz a Veja, não “publica posts automaticamente nas redes sociais”. Tratava-se apenas de um canal responsivo, acionado somente quando os usuários enviavam uma mensagem. O menu de autoatendimento com acesso às 12 principais questões trazidas pelas dezenas de milhares de pessoas que espontaneamente entraram em contato conosco ficou ativo entre 29 de abril e 22 de julho de 2018.

____________

ERRO 2 – “Ciro Gomes não foi o único a usar o recurso.”

A VERDADE: Ciro Gomes não teve relação com as ações de resposta da TodosComCiro pelo WhatsApp, portanto a reportagem mente ao dizer que “Ciro usou o recurso”. Os participantes da plataforma TodosComCiro realizam ações voluntárias e independentes para  debater as ideias de um novo Projeto Nacional de Desenvolvimento.

____________

ERRO 3 – “Ao longo do mês de julho, (a TodosComCiro) um grupo ligado à coordenação da campanha de Ciro usou um bot para divulgar notícias, organizar reuniões e trocar informações com possíveis eleitores, sempre por meio do WhatsApp — e antes do início oficial da campanha.”

A VERDADE: A Plataforma TodosComCiro é um grupo independente e nunca utilizou nenhum bot para divulgar notícias, organizar reuniões e trocar informações com possíveis eleitores. Talvez a revista não conheça, mas existe uma função disponibilizada pelo próprio WhatsApp chamada “Lista de Transmissão” para que, manualmente, sejam enviadas mensagens para vários contatos.

____________

ERRO 4: “Aproveitar-se das fragilidades de uma rede social para impulsionar na marra um lote de mensagens não é ilegal, apesar de ferir os termos de contrato da própria plataforma, que prevê banimento das contas que adotam tal prática.”

A VERDADE: Não há aproveitamento e muito menos ato de impulsionar “na marra” um lote de mensagens por parte da TodosComCiro, visto que usamos um recurso disponível no próprio WhatsApp: as listas de transmissão.

____________

ERRO 5: “Até o fechamento desta edição, contudo, uma mensagem direcionando para o site de apoio ao pedetista ainda era enviada para quem interagisse com a conta no aplicativo.”

A VERDADE: A mensagem de saudação enviada mediante interação prévia pode ser utilizada por qualquer usuário do WhatsApp Business. Esse recurso obviamente não é exclusividade da TodosComCiro, e sim função própria do WhatsApp Business.

____________

ERRO 6: A reportagem erra ao dizer que atuamos “evidentemente” em parceria com o PDT.

A VERDADE: A Plataforma TodosComCiro atua e sempre atuou de forma suprapartidária e independente. Quaisquer pessoas podem se cadastrar e fazer parte das ações que debatem e divulgam as ideias de um novo Projeto Nacional de Desenvolvimento para o Brasil.

______________

No entanto, a Veja conclui a reportagem com uma verdade que precisamos reconhecer.

As ações da Plataforma TodosComCiro – como disse à Veja um advogado consultado pela própria revista – vêm consistentemente respeitando a legislação. Tratamos sim das ideias do Ciro e do projeto de país debatido por ele nos seus quase 40 anos de vida pública e nos seus três livros escritos.

A luta pelo país que queremos é árdua e já era sabido que ataques assim poderiam tentar coibir o direito da sociedade civil de participar do debate político no Brasil. Aqueles que tentam impedir a mudança real no país ainda não perceberam, mas somos dezenas de milhares de brasileiros de verdade, e não será por ataques desmedidos que desistiremos de lutar pelo país que acreditamos. Enquanto houver aqueles que tentam coibir a mudança, também haverá os que resistirão e lutarão.

Nada existe de mais poderoso do que uma ideia cujo tempo chegou“.

 

Deixe uma resposta

dois × quatro =