O que é ser progressista, por Roberto Mangabeira Unger

“O pensamento transformador e a prática transformadora são o anti-destino.”

Roberto Mangabeira Unger, filósofo e professor da Universidade de Harvard e um dos principais conselheiros de Ciro Gomes, tem feito diversos vídeos em sua página do Facebook, abordando questões da política nacional e reflexões sobre um novo projeto para o Brasil.

Entre suas falas recentes destaca-se sua definição sobre o que é ser progressista ou de esquerda. Para Mangabeira Unger o compromisso do verdadeiro progressista deve fundamentado não apenas na diminuição da desigualdade e com o “engradecimento” coletivo e compartilhado, mas com o método para realizar esse objetivo: uma profunda inovação das instituições econômicas e políticas.

Para o professor, o paradoxo vivido pelo campo progressista hoje consiste em fundamentar sua luta pela promoção da igualdade aceitando, de forma conservadora e cética, a organização institucional vigente como horizonte insuperável. O descompasso entre a fé igualitária e o conservadorismo institucional apenas adoça e atenua as desigualdades e não promove uma real força transformadora. Esta é, segundo Mangabeira Unger, a tarefa histórica do progressismo: “Organizar a mudança estrutural sem se submeter ao dogmatismo estrutural” e falar com os brasileiros não como beneficiários a se cooptar, mas como agentes de sua própria transformação, que anseiam pela oportunidade de construir, inovar e empregar sua inteligência criativa em seu engrandecimento.

Então, quem é progressista? Para Roberto Mangabeira Unger é aquele que “domina a agenda do futuro da sociedade, é sempre aquela força que encarna de forma mais vigorosa a causa da energia, da construção, do dinamismo, da criação. Nunca aquele que procura apenas humanizar o que já está construído, isto é o reconhecimento de uma derrota.”

Veja este e outros vídeos: FACEBOOK

 

Deixe uma resposta

onze − oito =