O pensamento trabalhista brasileiro: história e política

A tradição do ideal trabalhista no Brasil remonta aos períodos mais áureos da história do desenvolvimento do país e de uma das experiências econômicas mais bem sucedidas já vistas, com base em um projeto nacional-desenvolvimentista.

Essa escola brasileira de pensamento e seus resultados estão muito bem documentados ao longo dos anos em diversas publicações acadêmicas, apresentada em partes nesta lista, e que ganha neste dia 22 de junho mais um forte reforço.

O novo livro de Ciro Gomes, Projeto Nacional: o dever da esperança, resgata o exitoso histórico do nacional-desenvolvimentismo e do trabalhismo brasileiro para apresentar um projeto novo para o Brasil. Nessa lista, você confere outras 12 obras de trabalhistas que marcaram época e ainda são centrais para uma formação política verdadeiramente brasileira. E também algumas de análise para quem quer entender um pouco mais. Confira!

Darcy Ribeiro – O Povo Brasileiro: a formação e o sentido do Brasil
A obra central do maior antropólogo brasileiro é, até hoje, o principal esforço das ciências sociais para tentar entender quem somos e porque somos quem somos, marcadamente em relação com a profunda e histórica desigualdade social que nos assombra e atrasa.

Alberto Pasqualini – Bases e Sugestões para uma política social
Livro que condensa o pensamento – e a prática – do principal teórico do trabalhismo brasileiro em sua concepção, um deputado gaúcho participante da revolução de 1930 e que, com o passar dos anos, consolidou teoricamente a mais brasileira das filosofias políticas: o trabalhismo.

Lira Neto – Getúlio
Biografia em 3 volumes publicada entre 2012 e 2014. Conta desde a infância de Getúlio até a Revolução de 30 (vol. I); seu primeiro governo entre 1930-45 (vol. II); e da sua volta até o suicídio em 1954 (vol. III)

Moniz Bandeira – O Governo João Goulart
Descrita como a primeira tentativa séria de uma avaliação histórica abrangente do governo João Goulart, este livro conta com rica documentação – inclusive documentos pessoais até então inéditos de Jango – buscando restabelecer a verdade histórica dos fatores da conjuntura que levaram à derrubada de seu governo e, via de consequência, ao golpe militar.

Angela de Castro Gomes e Jorge Ferreira – 1964
Análise da conjuntura histórica que levou ao golpe militar que depôs João Goulart da presidência da República, traçando alternativas políticas aos atores do xadrez político de então que poderiam ter culminado noutro resultado, abrindo, nas palavras dos autores “outros caminhos; outros futuros para o presente que então se vivia. Sem golpe de Estado”.

Trajano Ribeiro – Brizola
No ano que a morte de Brizola faz 16 anos é essencial relembrar sua vida de lutas e conquistas pelo povo brasileiro. O livro recorda diversos momentos da sua trajetória e nos permite conhecer melhor sua personalidade combativa e revolucionária sob a ótica de companheiros de exílio de Leonel Brizola.

Americo Freire e Jorge Ferreira – A razão indignada: Leonel Brizola em dois tempos (1961-1964 e 1979-2004)
Neste compilado de artigos organizados por Américo Freire e Jorge Ferreira podemos revisitar e refletir sobre os dois períodos de maior atividade e militância política de Brizola: o pré e o pós Ditadura Militar. Revisitando as duas fases de Leonel Brizola evidencia-se o seu enorme comprometimento com as lutas sociais e a emancipação dos brasileiros.

Angela de Castro Gomes – A invenção do trabalhismo
Rompendo tanto com a historiografia que defende que os direitos trabalhistas foram apenas cedidos pelo Estado, quanto com aquela que entende que todos os direitos são frutos unicamente de conquistas da classe trabalhadora, Angela de Castro Gomes parte da Proclamação da República para explicar a origem da identidade da classe trabalhadora e a sua relação com o Estado para a efetivação desses direitos.

Ciro Gomes – O Próximo Passo
Obra escrita em 1995 em coautoria com o prof. Roberto Mangabeira Unger, é fruto da pesquisa de Ciro enquanto visiting scholar na Universidade de Harvard. Ler esse livro nos dias de hoje é uma experiência incrível em que podemos ver, se não todos, boa parte dos fundamentos do projeto nacional que defendemos atualmente, mesclado com alguns elementos que foram atualizados com o amadurecimento político e acadêmico dos autores, como quando o assunto é tributação.

André Kaysel – Entre a nação e a revolução
Neste livro, o cientista político André Kaysel se dedica a compreender parte da história da esquerda latino-americana no século XX, em especial acerca das tensões entre as correntes marxistas-leninistas e o chamado nacionalismo popular. Neste último, o autor aborda a experiência a formação do trabalhismo no Brasil a partir de meados da década de 1950. O autor desmistifica noções como a de “populismo” e faz uma discussão historicamente fundamentada sobre o papel da ideia de nação no campo da esquerda na América Latina e no Brasil. Obra essencial para quem quer compreender os fundamentos do trabalhismo.

Jorge Ferreira – O imaginário trabalhista
O autor parte de um recorte histórico do trabalhismo e do PTB, notadamente nos 20 anos entre o fim do Estado Novo e o golpe militar, articulando conceitos como getulismo, trabalhismo, nacionalismo, cultura política, imaginário, projeto e geração para demonstrar a importância do antigo PTB enquanto ferramenta política de aglutinação de setores que se reconheciam no projeto trabalhista ao mesclar desenvolvimentismo, reformismo, distributivismo e nacionalismo.

Mangabeira Unger – Depois do colonialismo mental
O icônico professor Roberto Mangabeira Unger, quadro histórico do PDT e mais jovem professor titular de Harvard à sua época, nos conclama, novamente, ao desenho de um projeto rebelde de nação, desenvolvendo o novo paradigma produtivo, livre das amarras ideológicas neo-colonialistas. Um projeto fundamentalmente brasileiro: soberano e nacional.

Deixe uma resposta

7 − 5 =