Temendo repercussão da frente de esquerda, PT ataca Ciro Gomes

Que a movimentação de outras lideranças de esquerda/centro-esquerda, que não aceitam mais a submissão ao lulopetismo, vem assustando o hegemonismo do Partido dos Trabalhadores não é segredo pra ninguém. Mas hoje, provocou um ataque direto do deputado federal Paulo Pimenta a Ciro Gomes pelo Twitter:

Twitter Paulo Pimenta Ciro Gomes

Pra começar, é notória a contradição – pra dizer o mínimo, do deputado de um partido que manteve os maiores juros reais da história, nunca propôs (em 13 anos de governo) a cobrança de imposto sobre lucros e dividendos (o que faz com que bancos lucrem bilhões sem pagar um centavo de imposto) e estranhíssimas e bilionárias renúncias fiscais, acusar Ciro ou qualquer outro de querer agradar o mercado, notamos outros problemas.

O maior deles, o hegemonismo estilo “rolo compressor”, que caracteriza o partido do deputado, visível na formulação de Pimenta de que ao querer fazer uma oposição a Jair Bolsonaro supostamente sem “movimentos sociais, mulheres, juventude” por não ser de base petista. A partir das palavras do deputado, o que se pode entender é o PT não aceita que mulheres, juventude e movimentos sociais possam participar de ato sem o partido dele. Além de tentar a hegemonia na esquerda, o PT agora acha que é hegemônico em toda atuação política, partidária ou não.

Todavia, o ataque de Pimenta data de hoje não sem razão. Logo mais, às 19h, acontece a Live do Trabalhador com Ciro Gomes e o presidente do PDT, Carlos Lupi, o deputado Alessandro Molon (PSB), a ex-senadora Marina Silva (Rede) e o governador do Maranhão, Flavio Dino (PCdoB) no canal de Antonio Neto no YouTube!

Quem for acompanhar pelo Twitter, pode usar as tags #UnidosPeloBrasil e #MarinaCiroDinoMolon