Ciro Gomes e os Coronéis Globais

Na América Latina temos uma tradição: sempre recebemos com calorosas boas-vindas os estrangeiros que aqui chegam oferecendo ajuda no combate a algum inimigo interno, por mais que tenhamos certeza das más intenções contidas na oferta. Tampouco estamos muito interessados nas consequências desta atitude – o devir, deixamos para os xamãs. Se os gringos não trouxerem gripe ou varíola, como da primeira vez, já estamos no lucro.

Há alguns anos, uns estrangeiros desses desembarcaram por aqui. Prometiam sofisticados instrumentos de navegação (o que causou calafrios pela lembrança das caravelas) e se comprometiam a ferir de morte um dos mais poderosos inimigos que o país já teve: a Rede Globo. Diante da possibilidade de nos livrarmos desse fator de perpétua instabilidade, que patrocinou mais um golpe de Estado em 2016, recebemos com um largo sorriso os nossos novos amigos do Google, Facebook e Netflix.

Estadunidenses?! Sim. Com más intenções?! As piores possíveis. Mas entregaram o que prometeram: secaram a renda publicitária da nossa inimiga, que agoniza tentando sugar até a última gota das verbas públicas de propaganda e busca, em vão, construir um lobby para expulsar os estrangeiros. Se fosse digna de misericórdia, talvez já tivesse recebido o tiro libertador. Enquanto não chega a hora derradeira, estrebucha os últimos estrebuchos, afundando lentamente no lamaçal que ajudou a construir.

Como ninguém tem mais virtudes que um cadáver, irei propor no velório o reconhecimento de uma qualidade da finada rede: eles fizeram boas telenovelas. Produto de exportação que cumpriu o papel de padronizar hábitos e linguagens de norte a sul – o que ajudou, em alguma medida, na manutenção da unidade nacional em um país tão desigual regionalmente. Evidentemente, essa foi uma via com alto custo para as identidades culturais locais, mas a unidade da Nação não tem preço!

Diferente da maioria das novelas atuais, cujas tramas se passam entre a classe média alta do Rio de Janeiro e de São Paulo, as principais estórias filmadas até meados dos anos 90 tinham como cenário o interior nordestino. Mostrar o atraso político e social expresso no cotidiano das pequenas cidades do sertão permitia lançar uma crítica generalizada à política do país, ao mesmo tempo em que estigmatizava, de forma muito conveniente, os políticos vindos da região. O velho Coronelismo denunciado em sotaque do Nordeste instalou um aguçado alerta no ouvido de cada brasileiro.

A conservação de práticas políticas arcaicas no Norte e no Nordeste do Brasil, tão denunciadas pela Globo, esteve ligada ao acordo entre as elites do país que viabilizou nosso modelo de industrialização. De um lado, as ilustradas oligarquias representadas na FIESP que desejavam modernizar seus parques produtivos, atraindo empresas multinacionais para a região. De outro, as oligarquias do Norte e do Nordeste querendo manter seu domínio nos moldes tradicionais. Esse foi o pacto que sustentou o golpe de 1964 e erigiu o modelo produtivo que aprofundou as desigualdades regionais no Brasil.

O Sul desenvolvido e o Norte atrasado é uma separação tosca que esconde a ligação estrutural no desenvolvimento das regiões. O moderno e o atrasado não existem separados e se constituem mutuamente. É a visão da totalidade, revelada por essa “dialética da dependência”, que permite entendermos a dinâmica do desenvolvimento brasileiro e os resultados desse “desenvolvimento desigual e combinado” em nosso país.

Além da coesão política criada pelos acordos das elites regionais, que sustentou a modernização de uma região com a manutenção de estruturas atrasadas em outras, foram as relações econômicas que derivaram desse pacto que possibilitaram a construção dos polos industriais brasileiros. O processo de acumulação nas regiões que se desenvolviam só foi possível pela oferta, por parte das regiões que se subdesenvolviam, de matéria-prima em abundância, de um gigante mercado consumidor totalmente aberto aos produtos industrializados e da farta mão de obra barata dos migrantes.

Um primeiro efeito desse modelo foi o paulatino fortalecimento político dos grupos econômicos protagonistas do golpe de 64. Estes se voltaram contra os militares assim que eles tentaram distribuir o desenvolvimento, com a criação da Zona Franca de Manaus, ampliação da rede de Universidades Federais e realização de grandes obras de infraestrutura fora das regiões industrializadas, como a Transamazônica, por exemplo. As forças civis que organizaram o golpe de Estado, de repente, descobriram que o país vivia sob uma inaceitável ditadura que deixou como saldo, após 21 anos, os estados do Norte e Nordeste enfrentando problemas do século XVIII e o estado de São Paulo concentrando 2/3 da produção industrial do país. Esse acúmulo de indústrias em um só local, e nessa proporção, mudou a correlação de forças internas e produziu efeitos políticos que influenciam os caminhos do Brasil até hoje. Foi nesse cenário que o embate entre os trabalhadores organizados das indústrias paulistas e a elite local forjou o antagonismo, e sua expressão partidária, que pauta a política nacional desde os anos 90, mas que não expressa, necessariamente, os dilemas das demais regiões.

Fora do eixo da industrialização, os escombros da velha ordem mantida manu militari deixaram resíduos do Coronelismo. Como mostrado à exaustão na novela das 8, com todas as interjeições características do falar nordestino, originalmente os coronéis eram grandes proprietários de terra que mantinham o controle político de uma região através do terror e do assistencialismo. A manutenção desses poderes locais foi a contraparte dos estados do Norte e Nordeste na modernização brasileira, o que confinou a política nessas regiões às disputas entre atrasadas oligarquias agrárias. Por esse motivo, o antagonismo central nesses locais tinha pouca relação com o tipo de polarização que vinha de São Paulo.

Foi nesse ambiente que Ciro Gomes emergiu para a política. No fim dos anos 70, a conta do projeto de modernização havia chegado e estava sendo dividida com todo o Brasil. Nesse período, o Ceará conseguiu constituir um grupo coeso de representantes da sociedade local, que passaram a se reunir no Centro Industrial do Ceará (CIC), à época, presidido pelo empresário, e futuro governador do estado, Tasso Jereissati. Os cearenses entenderam bem a função que os estados periféricos desempenharam no desenvolvimento brasileiro e decidiram mudar seu destino, dando início ao contínuo processo de mudanças que vem sendo implementado por lá até hoje.

O grupo conseguiu mudar localmente a correlação de forças, vencendo a eleição do governo do Ceará, em 1986, e, em seguida, a eleição da prefeitura da capital e de diversas outras cidades no estado. Uniram-se então com dissidentes do PMDB de outras regiões e fundaram o PSDB, lançando-se logo em seguida na disputa interna no partido, da qual dependia o ambicioso plano dos cearenses de alterar o pacto federativo brasileiro com a conquista do poder central.

Assustados com a obstinação organizada dos novos políticos do Ceará, a ala paulista do PSDB tentou se refundir ao PMDB para diluir as forças emergentes das outras regiões. Derrotados no intento, fortaleceu-se o projeto liderado pelos cearenses, com a eleição de Tasso Jereissati para a presidência do partido, em 1991. Naquela data, Ciro Gomes já governava o Ceará, estreitando sua relação com o poder central no ano seguinte, com a posse do presidente Itamar Franco. Tudo fazia crer que o projeto teria o desfecho planejado. O indício principal eram os alertas emitidos por todos os órgãos de imprensa contra os “novos coronéis do nordeste”, que se entregavam pelo sotaque característico e queriam converter a já famigerada “República do Pão de Queijo” na “República de Sobral”.

Enquanto isso, na desconhecida “República da Avenida Paulista”, até hoje invisível no Google Maps, articulava-se a renovação do antigo pacto regional, com o PSDB de São Paulo selando um acordo com as velhas oligarquias agrárias do Norte e Nordeste, representadas no PFL – antigo codinome do DEM. O Príncipe dos Sociólogos foi coroado gestor do novo modelo de acumulação, via financeirização da economia, e esmagou, como faziam os coronéis das novelas, as possíveis resistências ao projeto.

Filho da reação de 1932, FHC sabia que a história brasileira não respeita a geografia e teima em juntar os pampas gaúchos com as montanhas mineiras. Para evitar os tremores de terra que tal desrespeito às leis geológicas poderia causar, colocou o beligerante Rio Grande do Sul, desarmado, numa guerra comercial contra a agricultura subsidiada de outros países. Para Minas Gerais, reservou uma das mais terríveis armas de destruição em massa já lançadas em nosso território: a Lei Kandir. Batizada em homenagem a seu criador, o deputado do PSDB paulista, Antônio Kandir, essa lei, promulgada em 1996, passou a isentar os impostos sobre a exportação de commodities. Com isso, a arrecadação de São Paulo permaneceu praticamente intocada, enquanto as contas públicas dos estados exportadores eram destruídas, com a justificativa de manter o equilíbrio da balança comercial do país.

Nesse avesso de final de novela, Tasso ficou a ver navios e desistiu da luta. Ciro Gomes segue obstinado no mesmo ideal, prometendo contornar os impasses atuais com um novo pacto federativo e denunciando, em bom cearensês, a agiotagem oficial. O estado de São Paulo enriqueceu, mas a vida da sua população continua tão dura quanto em qualquer outro lugar do país – a não ser que você faça parte de uma ínfima classe privilegiada que se formou lá. A Rede Globo de Televisão continua seu trabalho, usando seus últimos suspiros para mostrar à Nação os desmandos da família Sá Barreto e do maldoso Coronel Saruê, sempre avisando que “esta é uma obra de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.”

 

Deixe uma resposta

16 − oito =