Ciro Gomes e Kátia Abreu: enfrentamento e fidelidade no mundo político

Se confirmada, a união de Ciro Gomes e Kátia Abreu para compor a candidatura à presidência da República representará muito da mediação que precisamos fazer para, neste momento, enfrentar as interdições que não permitem a nosso país se libertar de verdade. Além disso, outro ponto os une: Kátia foi expulsa do PMDB por uma angústia também verbalizada por Ciro Gomes: contra a “quadrilha que tomou conta do poder”.

Nessa construção, a coragem, o enfrentamento, complementaridade de perfis e fidelidade programática a um novo Projeto Nacional de Desenvolvimento são os principais elementos necessários. Todos essas características são pontos fortes tanto de Ciro como de Kátia.

Dois dos maiores guerreiros na luta contra o golpe de 2016, dois dos mais fiéis operadores políticos na tentativa de salvar a nossa democracia e de evitar a entrega do país para as trevas. Até recentemente Kátia estava dentro do PMDB, lutando ao lado de Roberto Requião contra as políticas entreguistas, antipovo e antipobre do governo de Michel Temer.

Isso é muito simbólico para o nosso atual momento. Kátia Abreu, assim como o Ciro, representa o oposto de Michel Temer. Kátia Abreu foi presidente do Sindicato Rural de Gurupi. Foi a primeira mulher eleita para comandar uma entidade rural na história do Brasil, implementando inclusive projetos sociais, como o Projeto Sindicato no Campo. Foi presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Tocantins e em 1998 foi eleita deputada federal. Como deputada, presidiu a Frente Parlamentar da Agricultura, foi membra da Bancada Feminina no Congresso e também foi da Frente em Defesa da Televisão Pública.

A história de Kátia Abreu vem do setor produtivo. Vem da geração de riquezas para o país. Não vem do financismo, da venda de terras para estrangeiros ou da entrega de riquezas nacionais. Kátia Abreu é uma produtora rural do Brasil profundo. É uma mulher que venceu os preconceitos e conquistou seu espaço na política lutando e produzindo. E depois de décadas nessa luta, mostrou quais são seus valores éticos e morais, defendendo Dilma Roussef até o fim, e mesmo depois do fim, lutando contra o entreguismo antipovo de Michel Temer.

A política é a arte da resolução de conflitos, da mediação e da ponderação. E no Brasil de hoje, onde as elites, as classes médias urbanas, os trabalhadores rurais e os mais pobres estão vivendo realidades absolutamente opostas, isso se aprofunda ainda mais. Precisamos sair desse buraco. Ou aprendemos isso, ou seguiremos construindo mais muros do que pontes.

Deixe uma resposta

três × 2 =