Ciro Gomes “esteve envolvido na farra das passagens”?

Não é verdade e esse caso já foi bem esclarecido, inclusive pela empresa de passagens aéreas. Acusar Ciro disso foi uma farra de oportunismo! Acompanhe:

Entenda o contexto que originou a mentira:

O caso da Farra das Passagens teve início em 2009, quando o Ministério Público indiciou 443 políticos, dentre eles Ciro Gomes, por indícios de uso indevido da cota parlamentar. Em 18 de maio do mesmo ano, Ciro era deputado e juntamente de sua mãe, Maria José Gomes, embarcariam no mesmo voo para Nova York quando, no momento da emissão dos bilhetes, a loja da companhia em Fortaleza trocou, inadvertidamente, os documentos de crédito, emitindo as passagens de Ciro Gomes com créditos particulares e os bilhetes de Maria José Gomes com documentos de crédito oriundos da cota parlamentar. A companhia TAM, responsável pela emissão dos bilhetes, lançou nota oficial em que admitiu a responsabilidade por esse erro.

Por que espalhariam essa notícia falsa?

Portanto, o envolvimento de Ciro Gomes no caso se trata de um grande mal entendido, já esclarecido. Em 2016, sete anos depois, o assunto retornou aos noticiários e, mesmo depois do esclarecimento dado pela TAM, ainda mencionam irresponsavelmente o nome de Ciro como envolvido, deixando claro que se trata de mais uma tentativa frustrada de desmoralizá-lo perante a população. Nos dois momentos em que a acusação falsa aparece nós encontramos o motivo de espalharem a mentira: em março de 2009 Ciro aparecia em primeiro ou em segundo lugar na corrida presidencial, a depender do cenário e, em 2016, corria o Brasil denunciando o Golpe e já despontava como possível candidato ao Planalto em 2018.

Outros indícios que sustentam o fato real:

Como ressalta a nota divulgada pela assessoria de Ciro Gomes, além da companhia aérea já ter esclarecido toda a confusão envolvendo seu nome, Ciro economizou mais de R$ 200 mil reais das verbas de passagens do seu gabinete. Ciro tem mais de 38 anos de vida pública e nunca respondeu a nenhum inquérito por corrupção ou malversação do dinheiro público, além disso, foi prefeito de Fortaleza, Governador do Ceará, ministro da Fazenda e deputado federal, abrindo mão todas as vezes de receber aposentadorias vitalícias pelos cargos que exerceu.

Veja a íntegra da nota de Ciro Gomes divulgada em 2016:

“A assessoria de Ciro Gomes informa que ele desconhece a denúncia atual do Ministério Público, mas adianta que em 2009 Ciro esclareceu que nunca utilizou verba da Câmara dos Deputados para pagar passagens de avião a nenhuma pessoa que não ele mesmo e apenas para viagens oficiais pela Câmara. Na época em que tal denúncia foi destacada pela imprensa, a companhia aérea TAM fez um esclarecimento e pedido público de desculpas por ter cometido um erro na emissão de passagens. Causa indignação que mesmo com os esclarecimentos feitos tanto por Ciro quanto pela companhia aérea que cometeu o erro, o Ministério Público inclua o nome dele em sua denúncia.

Vale ressaltar que durante os quatro anos como deputado federal, Ciro Gomes economizou aos cofres públicos mais de R$ 200 mil reais das verbas de passagens de seu gabinete, recurso esse que voltou para o erário do Governo Federal.

Ciro tem mais de 36 anos de vida pública e nunca respondeu a nenhum inquérito por corrupção ou malversação do dinheiro público. Ciro, que já foi prefeito de Fortaleza, Governador do Ceará, ministro da República e deputado federal, abriu mão todas as vezes de receber aposentadorias vitalícias pelos cargos que exerceu.
Encaminhamos abaixo a nota da TAM divulgada no dia 18/5/2009:
‘Esclarecimento

A TAM esclarece que houve uma inversão entre os documentos de crédito particulares (pessoa física) da família do deputado federal Ciro Gomes e aqueles emitidos com recursos da sua cota parlamentar de passagens. O deputado e sua mãe, Maria José Gomes, embarcariam no mesmo voo, na mesma data, para Nova York. No momento da emissão dos bilhetes, a loja da companhia em Fortaleza trocou, inadvertidamente, os documentos de crédito, emitindo as passagens de Ciro Gomes com créditos particulares da família e os bilhetes de Maria José Gomes com documentos de crédito oriundos da cota parlamentar.

A TAM, no intuito de esclarecer o fato e garantir a integridade das informações prestadas, informa que enviará ofício ao Ministério Público Federal – autoridade que requisitou à companhia as informações relativas às passagens emitidas com uso da cota parlamentar dos deputados federais – com as devidas explicações.

TAM Linhas Aéreas’”

Veja as fontes:

congressoemfoco.uol.com.br/

Ciro Atômico

nexojornal.com.br/

opovo.com.br

folha.uol.com.br

 

Deixe uma resposta

1 × 1 =